03/04/2011

Método Ludovico Para Um Admirável Brazil Novo

Posted in Assim Caminha a Bovinidade, Detestável Mundo Novo, Neopessimista, Político Bom é Político Morto tagged , , , , , , às 22:32 por Roger Lopes

Alguns pessimistas leais perceberam o enorme hiato entre o último desabafo desesperançado deste implicante incrédulo e o momento presente. Obviamente que esta catatonia não deriva nem em sonho doce de padaria pela ausência de matéria-prima digna de irritar ao mais pollyanesco dos seres sapiens, mas pelo simples resfriamento do magma biliar após sucessivas erupções vulcânicas contra o escárnio desta Pompéia Federativa da Corrupção Nacional.

Dir-se-ia que a felicidade é cortejada pela ignorância, razão pela qual me permiti por algum tempo ser voluntário no processo behaviorista de lobotomização estilo “Ludovic Experiment”, impondo-me tamanha náusea e repugnância perante o exercício da cognição e aceitando o modelo do conformismo junto a imutável credulidade da opinião pública em relação às atrocidades governamentais, para inserir-me neste Admirável Brazil Novo, esplendidamente decantado pela conivência dos canais midiáticos.

Cabe, portanto, acreditar que vivemos sob os raios fúlgidos do tal sol da liberdade ou admitir que a única salvação possível para esta versão republicana de Sodoma e Gomorra se dará exclusivamente por meio da chegada de um meteoro anunciado pelas trombetas dos quatro cavaleiros do apocalipse, consumindo em chamas e enxofre até as baratas vestidas com a camisa da seleção canarinho, para que nada mais procrie nesta terra abençoada pela safadeza.

Afirma a máxima que o silêncio fala mais alto que gritar. Ledo engano, afinal é exatamente a mordaça despótica aplicada às poucas vozes insurgentes e a demagogia da pseudo-democracia que esconde os grilhões de chumbo, nos fazendo deitar sob o julgo feudal de uma oligarquia política descendente de genitoras de cunho sexual mercantil moralmente discutível, sem permitir ao país acordar do coma em que se encontra.

Mas deixando as justificativas de lado, vamos aos fatos. Incentivado por alguns leitores inexplicavelmente simpáticos às minhas rabugentices cronísticas, joguei fora a planta da felicidade, postei-me frente ao meu companheiro cibernético de cela, liguei o aparelhinho condicionador de cordeiros e bovinos e processei rápida atualização sobre as últimas putarias Made in Brazil. E o que parecia mais árduo que os doze trabalhos de Héracles, mostrou-se mais fácil que os gregos enfiarem um cavalo de madeira rabo adentro daquela antiga polis troiana subjugada pela própria ambição. De início, nada de novo no front; taxa de juros na estratosfera, elevação dos benefícios da parasitária corja política, celeuma teatral para conceder mísero aumento ao mínimo salário mínimo, permissão da inútil Agência Nacional de Energia Elétrica (ANAEL) para as concessionárias sanguessugas reajustarem tarifas a bel prazer, mais e mais sangria de impostos para a farra do dinheiro público e assim por diante.

Entretanto, a primeira pérola jogada à suinidade latente veio em estapafúrdia propaganda partidária, cuja desgranhenta sigla fisiológica me recuso a pronunciar, pois esses desclassificados não merecem de minha parte sequer publicidade negativa, onde um proxeneta sorridente sugere a aviltante balela de que existem bons e maus políticos e que por conta deles o país caminha em direção a uma onda de mudanças e justiça social. Que morram em eterna agonia esses salafrários. O ápice da hipocrisia encontra seu amparo na genialidade do slogan: “Se os seus amigos dizem que nada vai mudar, não mude de idéia, mude seus amigos!”. É preciso dizer mais?

Enquanto as efervescências gástricas me corroíam em poucos segundos de exposição televisiva, o intervalo comercial seguinte anunciava que para azia, queimação e indisposição estomacal, Epocler é alívio imediato e persistindo os sintomas, um médico deverá ser consultado. Indago se essa estratégia não faz parte daquela tal venda casada à qual se referem os órgãos de defesa do consumidor.

Apenas isso já estava de bom tamanho para este editorial, mas a abstinência de ódio queria mais. Mantive a caixinha de circuitos eletrônicos integrados torpedeando informações provenientes da sucursal do inferno na Terra e em pouquíssimo tempo, novo golpe. Dessa vez um achólogo nobremente preocupado com as condições climáticas aferia que “o carro é um belo símbolo do individualismo!”. Não pude conter um “vai tomar no cu” e decidi que isto fica como assunto a ser abordado detalhadamente em outra oportunidade, afinal o governo adora o discursinho ambiental demagógico e vazio, tanto que criou um imposto para inspecionar veículos malvados que agridem o indefeso meio-ambiente. Altruístas eles, não?

Mas as estomatites ainda não encontravam-se em ponto de ebulição até o anúncio da tão aguardada “Reforma Política”, que retira ainda mais o pouco controle da sociedade sobre a hedionda escória politiqueira, para dar a estas um absolutismo monárquico somente comparável ao dos grandes tiranos da história.

Evidentemente estas linhas não farão qualquer diferença na condução ou intervenção dos acontecimentos, mas servem como registro histórico do surgimento embrionário de um sistema totalitário na terra do carnaval por meio da subtração e cerceamento de direitos coletivos e individuais. Que não se reclame depois quando o Grande Irmão estiver olhando por você.

%d blogueiros gostam disto: